Cooperação em Biotecnologia entre Brasil e China

25 Abril 2019
Author :  

CNA defende fortalecimento do comércio e da cooperação em biotecnologia entre Brasil e China. Para João Martins, país asiático deve estar “no topo das prioridades da nossa diplomacia e da nossa política comercial”.

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defendeu, na quinta (25), a diversificação das exportações, a ampliação do mercado chinês para novos produtos, maior cooperação no uso de biotecnologia, diálogo aberto e transparente e o fortalecimento das relações com os parceiros chineses.

Ao discursar na abertura do seminário “Agro em Questão: Agricultura e Biotecnologia - Brasil e China”, na sede da CNA, em Brasília, Martins destacou a importância dos chineses como os principais consumidores do agro brasileiro e o reconhecimento do país asiático ao Brasil “como grande provedor da sua segurança alimentar”. “A China, grande potência econômica, conta com os nossos produtores para garantir essa segurança no futuro”.

O evento reuniu o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Orlando Leite Ribeiro, integrantes do governo e especialistas que debateram o tema.

O presidente da CNA ressaltou que, em 2018, as exportações para aquele mercado responderam por 35% das vendas externas totais do agro e citou os investimentos de US$ 55 bilhões de empresas chineses no país nos últimos 10 anos, “boa parte direcionada ao agronegócio e para melhorias em logística e infraestrutura”.

“São investimentos que fazem a diferença para a nossa produção e para nossos homens e mulheres no campo. Por todos os motivos, a China precisa estar no topo das prioridades da nossa diplomacia e da nossa política comercial”, afirmou.

Segundo Martins, a demanda daquele país por alimentos deverá crescer entre 11% e 13% ao ano até 2030, mas ponderou que a pauta exportadora para a China ainda é “bastante concentrada em poucos produtos”. “A CNA trabalha para mudar essa realidade”.

E em seu discurso, o presidente da Confederação lembrou da missão promovida pela CNA ao país asiático, no ano passado, para promover as frutas e os lácteos, que ainda não têm acesso ao mercado chinês, mas representam uma boa oportunidade para os exportadores brasileiros.

No caso das frutas frescas, avaliou, o país está próximo de concretizar a abertura do mercado chinês para o melão brasileiro e que este fator “abrirá as portas para as demais frutas, como limão, laranja, uvas, manga e outras”.

Em relação aos lácteos, a China é o maior importador mundial destes produtos. Segundo João Martins, as oportunidades de embarque destes itens para o país asiático podem somar US$ 190 milhões por ano.

E estes não são apenas os únicos exemplos. O presidente da CNA citou um levantamento da Confederação que aponta que o Brasil poderia ampliar as vendas externas de pelo menos 97 produtos do agronegócio para a China, como carnes, algodão e produtos florestais, que poderiam atingir mais de US$ 20 bilhões ao ano.

“O mercado chinês é enorme, com uma população que demanda alimentos em grandes volumes e de alta qualidade, com um poder aquisitivo que aumenta gradativamente. Mais de 700 milhões de pessoas conectadas à internet passam a exigir o que há de mais seguro e saudável no mundo”, enfatizou.

Neste contexto, acrescentou, “a biotecnologia é fundamental para garantirmos essa alta qualidade” e que a agricultura e biotecnologia se aliaram para tornar a produção mais eficiente. Com esta aliança, a engenharia genética permitiu a criação de tecnologias que reduzem perdas com pragas, doenças e clima e aumentam a produtividade nas lavouras.

Desta forma, prosseguiu, a biotecnologia abre caminho para uma “nova revolução da produtividade no campo brasileiro”. “A China está entre os principais investidores em inteligência artificial e precisamos cooperar e nos aproximar mais nessa área”.

“A CNA e as instituições aqui representadas, com alto conhecimento científico, querem manter um diálogo aberto e transparente com os seus parceiros chineses. O objetivo desse canal de comunicação é estreitar os nossos entendimentos e políticas para a biotecnologia, para darmos maior previsibilidade ao tema nas nossas agendas de produção e comércio”.

“Brasil e China são grandes amigos. Se estamos aqui, é porque acreditamos que essa relação pode ser ainda mais fortalecida”, concluiu.

Relações Exteriores - Na sua apresentação, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, lembrou que a demanda mundial por alimentos crescerá 70% até 2050 e grande parte dessa demanda virá da China.

Diante deste desafio, o chanceler enfatizou que o Brasil será um ator importante no processo de atender ao crescimento da oferta e que a biotecnologia será fundamental para aumentar a produtividade de forma sustentável e garantir o fornecimento de alimentos.

“O fomento na biotecnologia será uma ferramenta crucial para reduzir os custos e atender à demanda, além de mitigar os impactos ambientais”.

Araújo falou que o agro desempenha um papel decisivo no comércio mundial e é fundamental para a projeção internacional do país. E que a China é e continuará sendo uma parceira essencial.

Sincronia - Já o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Orlando Leite Ribeiro, defendeu uma sincronia entre Brasil e China na aprovação de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs).

Segundo ele, o tempo médio de liberação na China era de 240 dias. Hoje, ressaltou, os processos levam de cinco a seis anos. “Isso priva o agricultor brasileiro de novas tecnologias que poderiam proporcionar maior produtividade com menor uso de defensivos”. Destacou ainda a necessidade de maior cooperação neste tema entre os dois países.

Disposição - O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, destacou a relevância do evento para discutir a cooperação entre os dois países na área de biotecnologia e há grande disposição por parte dos chineses em discutir o cronograma de avaliação e aprovação dos produtos transgênicos brasileiros. Segundo ele, esta cooperação tende a aumentar após a visita da ministra Tereza Cristina ao país no início de maio.

Ele também falou sobre a importância do Brasil como parceiro estratégico e disse que, com o fortalecimento da parceria, os dois países ganham. Lembrou, ainda, que o Brasil foi o primeiro país da América Latina a estabelecer parceria com o país asiático na área de biotecnologia. “Espero contar com o apoio contínuo e o progresso das parcerias”.

700 Views
Jornal AgroNegócio

Jornal AgroNegócio 12 anos.

Login to post comments
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…